sexta-feira, 1 de maio de 2020

Capelobo – Folclore Brasileiro

0 comments
Capelobo  Folclore Brasileiro

       Temido pelos indígenas e pelos caçadores, o Capelobo causa violência e espalha terror no interior dos estados do Pará e do Maranhão, com histórias tenebrosas por acampamentos e barracões, atacando da mesma forma pela região do rio Xingu. Sem a força mágica do pajé ou de rituais, os indígenas ganham um novo rumo sob a forma brutal do Capelobo – é o que dizem no Xingu. Essa transformação ocorre de forma espontânea quando ficam bem velhinhos; não tem volta. Alguns folcloristas o definem como o “Lobisomem dos índios”.
    Também chamado de Cupelobo, a besta feroz é retratada com uma face animalesca, de um tamanduá ou de uma anta, e um corpo humanoide coberto por pelos longos e negros. Possui duas pernas, pés com cascos, mas também aparece como uma criatura perneta em algumas versões. Isso ocorre devido ao seu nome, que é uma junção do substantivo português “lobo” e do termo “capê”, de possível origem indígena, que significa “torto” ou “osso quebrado”. De forma limitada, aos poucos a lenda do Capelobo tem se espalhado por outros lugares do Brasil, portanto, sua versão unípede também pode ser uma indicação a outro monstro brasileiro, o Pé de Garrafa.
      Anunciando sua inevitável e apavorante chegada, o Capelobo solta poderosos gritos e rugidos. Tal criatura notívaga e medonha rasga sua vítima e bebe todo o sangue; essa entidade truculenta também ataca com um abraço mortal e, como um tamanduá deliciando-se em um suculento banquete no formigueiro, projeta seu repugnante e alongado focinho na região mais alta do crânio, penetrando-o para sugar o cérebro de sua presa humana. A monstruosidade também vaga em busca de animais recém-nascidos, como filhotes de cães e gatos. Em suas frenéticas caçadas noturnas, o ágil Capelobo só pode ser morto por um ferimento fulminante no umbigo, sina de diversos monstros brasileiros. De qualquer forma, não arrisquem-se por suas áreas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário